12 de jan de 2012

Depilação


Hoje, como muitas mulheres, fui ao salão  centro de estética, para depilar. Tortura com cera quente, claro. Agonia da pinça estava lá presente também, bem como as falsas promessas da esteticista que sempre dizia que já estava acabando, para ter paciência, que para ficar bonita exige sofrimento. Frente a esses comentários, sempre me calo. Contra-argumentar como? Afinal, eu que paguei para estar ali!

Após o choro e o ranger de dentes Fiquei pensando quando saí, que este procedimento estético é uma grande ironia da moderna cultura sobre a evolução humana. É uma zoação com os milhares de anos de evolução que resultou nessa coisa que somos. 

Quando atingimos esse status Homo sapiens sapiens, o que tinha nos nossos corpos, que ainda tem, mas são retirados, dolorosamente e periodicamente. Na Idade da Pedra, esses pentelhos eram vantajosos. Pense. Como viviam nossos antepassados? O que tinham era uma vasta barreira preventiva, que atualmente é uma barreira nojenta.  Naturistas sabem disso, tanto q não costumam ser super ultra depiladinhos... bom ao menos é o que eu vi em uma reportagem...

Esta barreira não era uma proteção perfeita, claro, mas ajudava bastante. Proteção física. Roupas são a proteção física. Alvo: moda, preconceito, dinheiro... 

A modernidade e suas sacadas.
Tudo isso mais uma etapa da evolução?

Bom, mulheres que não tem tanta necessidade deste recurso estético doloroso devem evoluir mais rapidamente. Como? Economizando... a cada dia esses centros de tortura drive-in ficam mais caros.

9 de jan de 2012


Estou cansada dessa necessidade de amar, de ter... ser. Tem algumas coisas quebradas em mim e a saúde já não é mais a mesma, apesar de não ter tanta idade. A vida está passando e vou indo, sozinha, dentro de um gerúndio eterno. Porque o ter é maior que o ser, e ainda nem sei quem sou. 

Negação


Não sei.
Não sou.
Não quero.

Nada normal

6 de jan de 2012

Música chiclete que não sai da cabeça

Nem to apaixonada, sério! Acontece que estou cantarolando o dia inteiro.

Socorro?

1 de jan de 2012

Arrotos de ano novo.


Amor antigo é igual a um grande e delicioso jantar. Depois de tempo após o jantar, você fica lembrando do que comeu. Por mais que você tenha saboreado cada garfada, a sensação que você têm a cada momento que o jantar é lembrado já não é mais tão agradável.