3 de out de 2010


Noite insólita, de desejos e luxúria. Lentamente falo, lentamente fala-se: palavras vãs, desconexas. Carícias vivas, percorrem, extrapolam a barreira. 

Cores de roupas se perdem na cabeceira. Raciocínio está turvo. A visão está aguçada. Detalhes lentamente absorvidos, cuidadosamente guardados. 

Os olhos se fecham, não porque não se quer ver. Se fecham porque ver não mais importa. 

6 comentários:

  1. Falo e Luxúria: totalmente conexos...rs

    ResponderExcluir
  2. De olhos bem fechados
    e aberto
    a todos os pecados

    ResponderExcluir
  3. pessoa,

    voltei viu?!

    saudade de tu cara de tatu =D


    poeminha arretado de bom. gostei :)

    ResponderExcluir