12 de dez de 2011

Platonismo


Eu te desejo tanto e você nem sabe, da metade.... não sabe o tamanho da ânsia que queima dentro da minha barriga, do amor que teima dentro do peito e os versos que se repetem na minha mente feito disco quebrado. Dói demais a falta de coragem, mas o sadismo deste sentimento me fez masoquista. Enquanto ele é meu, apenas meu, não tem como você rejeitar.

3 comentários:

  1. Imediatamente, lembrei-me:

    "Eu gosto tanto de você
    Que até prefiro esconder
    Deixo assim ficar
    Subentendido

    Como uma idéia que existe na cabeça
    E não tem a menor obrigação de acontecer

    Eu acho tão bonito isso
    De ser abstrato baby
    A beleza é mesmo tão fugaz

    É uma idéia que existe na cabeça
    E não tem a menor pretenção de acontecer

    Pode até parecer fraqueza
    Pois que seja fraqueza então,
    A alegria que me dá
    Isso vai sem eu dizer

    Se amanhã não for nada disso
    Caberá só a mim esquecer
    O que eu ganho, o que eu perco
    Ninguém precisa saber..."

    ResponderExcluir
  2. Platonismo, sadismo, masoquismo... O amor e suas múltiplas faces. Às vezes nos sentimos devastados por este sentimento, é quando menos podemos ser racionais. Amar é viver. Abraço e obrigado por sua atenção em meu blog!

    ResponderExcluir