8 de ago de 2010

Pai



No meu cofre da memória
tem tantas imagens,
tantas paisagens
inúmeras histórias. 

O meu cofre da memória
tem cheiro de saudade
dor e verdade
nafltalina e alguma glória.

O meu cofre da memória
cheio de recortes seus:
museu pulsante, elétrico
de amor e saudade.

3 comentários:

  1. Nossas glórias que causam tanta euforia vão precisar de naftalina depois de algumas páginas da vida viradas. Deve ser assim enquanto não surgirem novas glórias.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito desse delicado poema.

    Parece mesmo, Heat, que as pessoas andam bem estimuladas e inspiradas.

    Vá o meu blog A HORA DO FLUSH e dê-nos o prazer de sua presença mais constante.

    Tem ainda o Blog do Flávio "Arguta Café".

    Estamos todos postando nossas inspirações em forma de poesia, quem sabe no futuro possamos lançar uma pequena obra para presentear nossos amigos?

    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Lindo...

    Estou longe de meu pai acerca de 1 ano e meio e ler esse poema singelo e verdadeiro me tocou! Bjooo na tua alma Heat!

    ResponderExcluir