4 de mai de 2011



... e estava ali, a sentir-se especial. Como se o simples ato de viver fosse o maior ato de coragem que pudesse ter.  Pois é exaustivo o fardo de ser, de fazer, mas não tem como apenas viver, como vegetar, mas tem que ser viver, com tudo, ao tirar o máximo. Já que se está a viver, por que não tudo vencer? 

Meu pai dizia que para tudo se tem remédio, menos para a morte. Acho que a morte é o remédio máximo, mas enquanto se tem vida, existem mais alternativas.

Um comentário:

  1. estou com seu pai.
    aliás, pra que penser em morrer se ainda há tanta vida???



    =)

    bjsmeus, querida.

    ResponderExcluir