22 de mai de 2011


Nas migalhas, nos rastros, vou recolhendo pedaços, caros, raros, útopicos.
Nas migalhas, nos rastros, vou idealizando, sonhando com o que não existe e não é.
Nas migalhas, nos rastros, vou definhando porque nunca acho o final.

Um comentário: