1 de mai de 2011

Embriaguez na sarjeta


Em um espírito de pura insensatez resolvi te procurar no fundo de uma garrafa. Gole a gole, lágrima a lágrima. Toda minha racionalidade se escondeu no sótão do meu cérebro esperando o momento louco que ela não sabia enfrentar passar. Toda minha dignidade se foi, pelo ralo. Queria gritar: maldito seja, por ter se escondido no fundo da minha garrafa!  Mas maldita era eu, que sem dignidade, sem pose e sem classe ia bebendo e bebendo, até não mais sentir, até não mais querer, até não mais chorar. 

A bebida acabou, as lágrimas secaram. A dor não passou. 
Agora eu vou, para o próximo bar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário