21 de mai de 2010

Diários de uma Vaca

Querido diário,

            Já terminei um período de lactação e não senti nenhum “calor” ainda. Estou preocupada. Pois preciso continuar seguindo os princípios do Grande Holandês e continuar a ter filhos e oferecer leite ao meu senhor, pois só assim chegarei as Pastagens Verdes Olízias e evitar o demônio Zé do Açougue.
            Aparentemente terei um encontro com alguém que pode me ajudar. Escutei meu senhor contando disso pra minha senhora. Chama Veterinário. O que será um veterinário? Será uma criatura santa? Um anjo? Um touro galã que será capaz de me causar “calores”?
            Estou nervosa e ansiosa. Mas saiba meu querido que não me esqueço de você. Amanhã voltarei com novas notícias.
--

Oi diário,

            Já é outro dia e tenho notícias. Notícias meio ruins e desagradáveis, mas mesmo assim notícias.
            Meu dia foi simplesmente hor-rí-vel! O veterinário não é um touro galã, é um homem, assim como meu mestre é.
            Então, fui fechada no “tronco” (já te falei anteriormente desse local de tortura, somos fechadas lá para receber umas picadas e marcas com um troço bem quente). Enfim, fiquei lá morrendo de medo. Sempre que se está no tronco, algo ruim vai te acontecer.
            O veterinário foi chegando perto e me tocou! Acredita diário? O veterinário me tocou! Não me tocou como o Touro Lelão aqui na fazenda. Mas me tocou no lugar de fazer bosta. Será que ele não sabe que esse local não foi feito pra entrar alguma coisa e sim pra fazer bosta? E o tal Veterinário também me deu uma picada meio dolorida no lombo. O que será que ele pretendia? Ai meu querido amigo diário, eu vou dormir agora. Não quero mais pensar nisso agora. Eu vou dormir. Um beijo meu querido.
                  
--

Uma semana depois

--

Querido diário,

            Hoje tinha completado uma semana da visitada do tal veterinário. Eu achei que nunca mais ia ver esse homem. Mas ele voltou aqui, No momento que eu o vi eu soube que ia para o tronco novamente. Pensei na horinha: “To lascada”.
            Como eu havia imaginado eu fui pro tronco de novo. Ele me olhou dos pés e cabeça, me tocou novamente no local de fazer bosta e colocou alguma coisa em mim. Esse cara deve de ser meio sádico. Credo.
            Ouvi meu senhor a falar que ele ia resolver meu problema, que ele ia me fazer sentir “calor” novamente. Não sei como ainda, ele nem touro é...
            Já está tarde, vou dormir.

--

Oi queridíssimo diário

            Hoje eu sentir calores tenebrosos!!! Finalmente! Será que as picadas do veterinário são apenas uma “purgação” para que eu possa cumprir o dever divino de atender os anseios do meu mestre com meus filhos e leite?
            Mas aconteceu algo engraçado hoje. Quando eu tava a morrer de calor, quase implorando pelo idiota do touro Lelão, meu mestre me fechou no tronco e me tocou que nem o veterinário e depois enfiou algo no local certo. Não sabia que o mestre podia fazer essas coisas com a gente. Estou abismada com essa descoberta! Algumas das outras meninas também foram tocadas pelo veterinário e o nosso senhor as tocou assim também. Será que vamos ser comadres novamente?

Nenhum comentário:

Postar um comentário